produtores

  1. Champagne Fleury

    Um produto de luxo enraizado na história e no terroir . A trajetória da família Fleury iniciou-se em 1895 e sempre se distinguiu pelo respeito ao terroir e pela vontade de produzir um champagne único e elegante. Jean-Pierre Fleury, a terceira geração de vinhateiros desta família, foi o primeiro a transformar seus vinhedos em Champagne para o cultivo biodinâmico, a partir da década de 80, para ressaltar os aromas de seu excepcional terroir. Ele controla todas as fases de elaboração de seu Champagne, desde o cultivo das uvas até a fase final onde os vinhos ficam nas caves aguardando seu amadurecimento.

  2. Château du Champ des Treilles

    Jean-Michel Comme, junto com sua esposa Corinne, têm a grande felicidade de ter uma perna dentro de cada um de dois grandes vinhedos em Bordeaux. O primeiro é o Châteaux de Pontet Canet, Grand Cru Classé que hoje é considerado como um dos maiores competidores do Château Mouton Rothschild. O segundo vinhedo é o Château du Champ des Treilles, maravilhoso pequeno vinhedo onde florescem num espaço de somente 10 hectares, vinhas de mais de 60 anos de idade. Esse vinhedo, trabalhado como um verdadeiro jardim, produz vinhos de uma grande pureza onde é possivel encontrar a verdadeira expressão de terroir.

  3. Château la Grave

    O Château La Grave remonta o século XIV e está situado na entrada da charmosa cidadezinha de Fronsac, às margens do rio Dordogne. O trabalho dedicado ao equilíbrio de seu solo possibilita ao consumidor apreciar um vinho que demonstra genuinamente as qualidades de onde foi produzido, bem como os intensos aromas e sabores de suas uvas.

  4. Château Moulin Caresse

    Desde 1749 a família Deffarge vem cultivando o vinhedo chamado Moulin Caresse. A majestosa propriedade fica no topo de uma colina com uma vista de tirar o fôlego, e de onde se pode vislumbrar os 27 hectares de videiras e o castelo Moulin Caresse, do século XVIII.

  5. Domaine Antech

    A historia dessa vinícola começa seis gerações atras. No inicio do seculo XX, Eugénie Limouzy é a primeira mulher na região do Languedoc a trabalhar como produtor de vinho. Ela foi também uma das primeiras a descobrir que um dos factores mais importante na produção dum verdadeiro vinho de "terroir" é a qualidade dos trabalhos na vina mesmo e o respeito do solo.

  6. Domaine Bott-Geyl

    Jean-Christophe Bott conduz com maestria seu Domaine, cujo solo foi arado pelos seus ancestrais, por volta de 1795. Seu estilo elegante de produzir conquistou os amantes do vinho pelo mundo afora e o levou a ser atualmente considerado um dos melhores e mais respeitados produtores na Alsácia. Seus vinhos foram bastante elogiados por alguns críticos influentes como Robert Parker, que classificou seu Domaine como “excelente”.

  7. Domaine Catherine et Claude Marechal

    Criado em 1981 o Domaine cultiva 10 hectares de vinhas espalhadas por 6 comunas do famoso “Côte de Beaune”. Claude Maréchal é um talentoso produtor de vinhos que em seus quase 40 anos, seguiu os passos de seu mentor Henri Jayer (um dos últimos gênios do vinho). Seu pai já produzia vinhos e era proprietário de algumas vinhas em Bligny-les- Beaune, uma pacata vila a leste de Beaune, onde Maréchal ainda mora e produz seus vinhos.

  8. Domaine de l'Hortus

    Propriedade de Jean Orliac, um dos grandes inovadores de Pic Saint-Loup, o Domaine L'Hortus fica numa região ao sul da França e conta com uma história particular, uma vez que há 2000 anos era um santuário dedicado à fertilidade. Localizado entre duas faces rochosas suas terras são abençoadas por um notável microclima que não pode ser encontrado em nenhuma outra parte do Languedoc.

  9. Domaine de L'Idylle

    O Domaine de L'Idylle é um pequeno tesouro de Savoie, encrustado entre as montanhas, lagos e florestas desta bela região (de frente para famoso Mont Blanc). Esse Domaine cultiva há três gerações algumas variedades "exóticas" de uvas que não são encontradas em nenhum outro lugar além dessas montanhas, como a Mondeuse, Altesse, Jacquère e Roussette. Atualmente, Philippe, François e Sylvain Tiollier tem a grande felicidade de combinar o conhecimento ancestral, paciência e respeito da natureza, valores presentes em todas as fases do seu trabalho. Os seus vinhos são a imagem desse trabalho, eles não seguem as modas e obrigações de produção, cada safra é diferente e reflete as peculiaridades deste terroir extraordinário.

  10. Domaine de l'Oratoire Saint Martin

    Desde a época do Império Romano, a propriedade é plantada com vinhedos. Está localizada na pequenina vila de Cairanne, em belas colinas rodeadas pelas conhecidas montanhas Mont Ventoux e Dentelières. Todos os seus vinhedos são de pé franco e não provenientes de enxertos, fato extremamente raro, o que proporciona ao vinho uma maravilhosa complexidade. O método de produção é o biodinâmico e somente leveduras nativas são utilizadas para produzir a fermentação, o que reflete a especificidade do terroir.

  11. Domaine de la Réméjeanne

    O Domaine La Réméjeanne está situado próximo à pequena vila medieval de Sabran, a 250 metros de altitude; incrustado em pequenas colinas rodeadas de florestas com solo pedregoso e grande exposição solar. Nos tempos antigos, o local era coberto pelo mar e atualmente neste local há um rio que proporciona às uvas e, consequentemente ao vinho, seu caráter mineral e fresco.

  12. Domaine Delmas

    Há 3 gerações o Domaine Delmas produz vinhos nessa região montanhosa dos Pireneus. Bernard Delmas é um produtor como nenhum outro. Tem duas paixões na vida: cozinhar (ele tem formação de Chef) e produzir vinhos. À sua maneira, ele consegue transmitir a "gourmandise" que tem como Chef na sua produção de vinhos.

  13. Domaine du Comte Armand

    O Domaine Comte Armand em Pommard é de propriedade da mesma família desde o século XVIII, o que é extremamente raro na Borgonha. Ao longo desses anos a família vendeu outras vinícolas como a Romanée St Vivant por exemplo, mas nunca quiz se separar do Clos des Epeneaux, seus vinhos favoritos. Essa vinícola tem o monopólio da produção de vinhos no 1er Cru Clos des Epeneaux, que tem uma tradição vinícola muito antiga, com a existência de vinhas atestada desde o século III.

  14. Domaine Jean-Claude Rateau

    Produtor há quase 30 anos na região, sua família sempre cultivou vinhos para consumo próprio, e por isso ele sempre esteve envolvido na produção. Jean-Claude Rateau possui 10 hectares, onde cultiva suas uvas, que estão localizados na Côte de Beaune (que juntamente com a Côte de Nuits forma a região da Bourgogne conhecida como Côte d'Or). Desde que iniciou sua produção, ele segue as diretrizes de cultivo biodinâmico, o que o torna o primeiro na região da Bourgogne a fazê-lo.

  15. Domaine Rimbert

    Localizado nas colinas selvagens de Saint-Chinian, o Domaine Rimbert é uma propriedade tradicional, que nos idos de 1794 pertenceu a monges produtores de vinhos que transformaram estas colinas inóspitas em um paraíso capaz de produzir frutos, incluindo uvas.

  16. Domaine Rousset Peyraguey

    Apenas produtores diferenciados conseguem ter sucesso para fazer grandes vinhos em Sauternes. Alain Dejean é, sem dúvida, um deles. Membro da 12ª geração de uma família tradicional na região, seu avô, seu pai e ele próprio nasceram no mesmo quarto da casa do vinhedo. A família Dejean já não usava produtos químicos nas vinhas desde 1970, e Alain agora vai mais além produzindo seus vinhos através de métodos biodinâmicos.

  17. Domaine Tissot

    O Domaine Tissot começou a chamar a atenção do mundo como produtor de um rico Chardonnay e de um delicado, expressivo e raro Trousseau. Os mais conhecidos críticos tem elogiado muito o seu trabalho, Robert Parker por exemplo o elegeu como um dos três melhores produtores do Jura.

  18. Domaine Zind-Humbrecht

    Os criticos do vinho consideram uninamente o Domaine Humbrecht como o melhor produtor de vinho branco do mundo. Uma unanimidade tão grande é mesmo surpredente: Bettane & Dessauve (entre os mais respectavel criticos na França) considera ele "como um produtor excepcional, um dos quais que representa a qualidade mas absoluta." O Robert Parker fala: "Não sei o que é o mais extraordinario, a qualidade dos vinhos ou a dedicação completa do Oliver Humbrecht. 

  19. Domaine du Bouscat

    De Parker na Wine Spectator, passando pelo melhor sommelier do mundo, Andreas Larsson, as notas de seus vinhos atigiram as alturas. O Domaine du Bouscat representa muito bem a nova geração de Bordeaux. Robert Parker disse: "Este fabuloso Bordeaux Supérieur se comporta como um Grand Cru Classé. O enólogo responsável é o célebre Claude Gros, um dos mais talentosos da França. Infelizmente a produção dos seus vinhos é limitada, mas o consumidor que tem a sorte de encontrar uma garrafa se depara com uma relação de preço/qualidade que é simplesmente deslumbrante".

  20. Domaine de Gautheron

    Domaine de Gautheron

  21. Chateau de Beaubois

    O Château Beaubois situa-se ao sul da apelação de Costières de Nímes, ao lado vila de Franquevaux, um pacífico refúgio, situado entre Arles, Nîmes, Montpellier e o Mar Mediterrâneo. Uma propriedade familiar há quatro gerações, que é agora operado por Fanny e seu irmão François, e está em seu terceiro ano para a conversão em agricultura biológica. São 50 hectares de vinhas, das quais 50% do vinho produzido é vendido dentro da França e no restante no exterior. As vinhas crescem em um solo de argila e calcário, composto por 80% de pedras. Estas captam o calor do sol durante o dia, e em seguida devolvem às videiras à noite.



  22. Domaine des Temps Perdus, Clotilde Davenne

    Vivacidade, tonicidade e energia. Estas são as palavras que vêm à mente quando provamos os vinhos de Clotilde Davenne. Seus vinhos são sempre frutados, vinificados em cubas, com leveduras nativas e sem qualquer uso de madeira. São vinhos de artista, com grande pureza e poesia.

  23. Domaine de Villeneuve

    Desde a safra de 1995, este Domaine de notável jornada nunca decepcionou. Seus vinhos revelam a elegância extrema que é possível alcançar nos vinhedos de Châteauneuf du Pape. Cheios de harmonia e equilíbrio, eles primam pela profundidade e por uma textura sedosa. São desprovido de um peso exagerado e têm aptidão para a longevidade, e a idade os fazem ganhar em energia e complexidade.

  24. Domaine Vincent Caillé

    “Para se fazer um bom vinho, é necessário ter uma filosofia...deve-se ser um sonhador”, Vincent Caillé é um grande sonhador, que faz parte dos poucos que conseguem colocar seus sonhos dentro de garrafas! É inclusive essa frase que ele marca em todos as suas caixas de vinhos. De uma maneira divertida, existe também uma ligação forte entre seus vinhos e o Brasil, já que em suas garrafas, ele lembra a lenda americana do beija-flor, amigo das flores, que fora o único a ajudar diante de um imenso incêndio na floresta amazônica.

  25. Domaine Wilfrid Rousse

    O Domaine Wilfrid Rousse tem um como símbolo um catavento, com a imagem de uma sereia segurando um peixe em suas mãos. A sereia, metade mulher, metade peixe, de acordo com a tradição homérica é uma divindade do mundo marinho. Segundo a lenda, uma talentosa cantora, que seduzia os marinheiros, que atraídos por suas canções perdiam o senso de direção. Hoje, graças ao talento extraordinário de Wilfrid Rousse, não é mais a sereia quem atrai e seduz, mas sim os seus maravilhosos vinhos! Todos os cuvées desse produtor, embora distintos entre si, oferecem o melhor da Cabernet Franc. Vinhos ricos, sedosos, autênticos e puros. Um produtor que é referência em Chinon!

  26. Domaine Binner

    Adicionar texto

  27. Domaine Sylvie-Spielmann

    Adicionar texto

  28. Château Magence

    Adicionar texto

  29. Château Meylet

    Adicionar texto

  30. Domaine Roland Pignard

    Adicionar texto

  31. Domaine Jean-Michel Stephan

    Adicionar texto

  32. Domaine La Grange Tiphaine

    Adicionar texto

  33. Château Barouillet

    Adicionar texto

  34. Domaine Laurent Cazottes

    Adicionar texto

  35. La Lieutenante

    Adicionar texto

  36. La Guinelle

    Adicionar texto

  37. Clos de Grillons

    adicionar texto